Sexta, 19 de Julho de 2024 20:45
(99) 9 9145-3761
Anúncio
Geral Operação

Polícia finaliza Operação Parasitas com 23 presos no Piauí e outros Estados.

“Nesse primeiro inquérito, a gente apurou um prejuízo de 3,5

15/05/2024 17h32
Por: REDAÇÃO AFML Fonte: GP 1
Divulgação
Divulgação

 


Foto: Lucas Dias/GP1Delegado Anchieta Nery, diretor de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí
Delegado Anchieta Nery, diretor de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí

Três formas de ganhar dinheiro

Ainda conforme o delegado Anchieta Nery, o grupo possuía três maneiras diferentes de ganhar dinheiro. “Eles emitiam notas com sobrepreços para pagar comissão indevida a alguns funcionários, emitiam notas completamente frias, notas de peças de serviço que nunca existiram, e o terceiro ponto era o desvio de peças do estoque da empresa.

Então, às vezes, a empresa vítima emitia um pedido de peças, um lojista de fato vendia essa peça, só que ao chegar no destino essa peça era desviada por membros do grupo criminoso para ser reinserida no mercado, então esse grupo ganhava dinheiro dessas três formas.

Tudo isso era combinado com funcionários para ganhar comissionamento, inserindo notas fiscais frias na trilha de pagamento das empresas vítimas e desviando peças do setor automotivo de empresas vítimas para recolocar no mercado”, completou o delegado.

Empresas de fachadas foram criadas para ampliar os golpes

Ainda conforme o diretor de Inteligência a SSP-PI, para ampliar o golpe que gerou prejuízo milionário, o grupo criminoso se utilizou, primeiramente, de empresas já existentes no mercado e, depois, diante da necessidade de expansão do esquema, foram criadas diversas empresas de fachadas.

Foto: Divulgação/SSP-PIBuscas na Operação Parasitas
Buscas na Operação Parasitas

“Nós temos, de um lado, as vítimas, que eram empresas, e do outro lado, dos investigados, também com empresas. E aí, dois grupos de empresas investigadas, que realmente existem no comércio local, em determinado momento se envolveram nessa atividade criminosa, e mais de dez empresas fantasmas, que foram criadas especificamente para acelerar os ganhos financeiros desse grupo composto por líderes da organização, que orquestravam todo o esquema, nós temos pessoas que emprestaram seu CPF para a criação de empresas fantasmas, ex-funcionários de empresas vítimas e pessoas que receberam e movimentaram valores em suas contas”, acrescentou.

Líder do grupo chegou a faturar R$ 100 mil por semana

“Nesse primeiro inquérito, a gente apurou um prejuízo de 3,5 milhões de reais, mas novas investigações podem surgir e esse valor modificar. Para você ter uma ideia, o líder dessa organização criminosa, segundo as investigações, em determinado período, chegou a faturar de 80 a 100 mil reais por semana”, finalizou o delegado Anchieta Nery.

A Supertintendência de Operações Especiais da Secretaria de Segurança Pública do Piauí deflagrou uma operação para cumprir 23 mandados de prisão temporária e a suspensão das atividades econômicas de empresas que, de acordo com os indícios, eram usadas para facilitar as práticas criminosas de emissão de notas fiscais frias e superfaturadas, além do desvio de peças de veículos do setor de oficina, com prejuízos estimados em mais de R$ 3 milhões.

As investigações apontaram para a existência de uma associação criminosa entre ex-funcionários e fornecedores de peças e serviços automotivos com atuação nas cidades de Teresina, Alto Longá, Timon, Estado do Maranhão e Jurucutu, Rio Grande do Norte.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias