Terça, 21 de Setembro de 2021
(99) 98826-8130
Anúncio
Esportes Esporte

Brasil vence - de novo - Chile em pior partida nas Eliminatórias.

Com problemas da convocação até a véspera, Seleção de Tite bate recorde de vitórias em partida com menor posse de bola, troca de passes e com mais finalizações cedidas na competição

03/09/2021 07h30
59
Por: Redação
Globo Esporte
Globo Esporte
Com problemas da convocação até a véspera, Seleção de Tite bate recorde de vitórias em partida com menor posse de bola, troca de passes e com mais finalizações cedidas na competição
Para quem esperava evolução em construção de jogadas, ajustes ofensivos e mais do que o habitual pragmatismo da sempre eficiente equipe de Tite, a vitória por 1 a 0 (gol de Everton Ribeiro, na noite de quinta, no estádio Monumental) sobre o Chile - num cartel de dar inveja à freguesa mais fiel, agora com 52 vitórias em 73 jogos - serviu de pouco para além de manter trajetória tranquila rumo ao Catar.

O Brasil sofreu muito mais do que em qualquer partida das seis iniciais das Eliminatórias. É óbvio que entra no pacote série de variáveis. Nenhuma Seleção perdeu tantos titulares - cinco, com Ederson, Thiago Silva, Fred (suspenso, porém), Gabriel Jesus e Richarlison - e nem tantos convocados - total de 12, com a última leva, no retorno de Claudinho e Malcom para a Rússia.

Também entram na conta a posição do adversário, um Chile pressionado e na 7ª posição, a dois pontos da lanterna Venezuela, a presença de 10 mil pessoas no estádio - um combustível a mais - e se justificam as dificuldades da partida.

 

O Brasil agora tem 21 pontos em sete jogos - segue 100% na competição. No domingo, às 16h, recebe a Argentina na Neo Química Arena, em São Paulo. Na outra quinta, fecha a rodada tripla das Eliminatórias contra o Peru, na Arena Pernambuco, no Recife
Goleiro Weverton é abraçado por Tite após vitória da Seleção: Brasil venceu em jogo de muitas dificuldades em Santiago — Foto: Lucas Figueiredo / CBF
Antes de Everton Ribeiro marcar no segundo tempo, o Brasil teve sorte e contou com boas defesas de Weverton - numa cabeçada de Vargas - e uma travada providencial de Alex Sandro aos pés de Aranguíz - depois de ótima enfiada de Arturo Vidal, de boa partida pelo Chile.
Em nenhuma outra partida das sete das Eliminatórias, a Seleção teve menor posse de bola do que o adversário. O máximo que tinha acontecido foi contra o Paraguai, com metade para cada. Contra o Chile, o Brasil teve 39% de posse. Foi também a partida que menos trocou passes (374, contra 577 dos chilenos, número compatível ao normal do Brasil) e mais errou (77%). Mais uma estatística negativa - os números são todos do Sofascore: foi o jogo que mais cedeu chances ao adversário. O Chile tentou 12 vezes o gol de Weverton, embora apenas três tenham ido à meta brasileira.
Oito chilenos pressionam a saída de lateral da Seleção — Foto: Reprodução

Oito chilenos pressionam a saída de lateral da Seleção — Foto: Reprodução

Por que o Brasil teve tantas dificuldades? É verdade que o Chile imprensou o Brasil no seu campo defensivo. O Brasil até teve duas ou três saídas no contra-ataque, mas nem ficou com a bola para respirar na partida e muito menos encurtou espaços, desarmou chilenos. Aos trancos e barrancos, Vidal e companhia iam colocando bola na área.

O time chegou a fazer linha de cinco defensores na defesa - com Vini Jr bastante recuado, quase como lateral, colado a Isla, o lateral-direito do Chile. Alex Sandro, muito bem na marcação, se preocupava em fechar espaços ao lado de Marquinhos e Militão.

No fim da primeira etapa, seleção brasileira marca com cinco defensores na área. Entre eles, Lucas Paquetá — Foto: Reprodução

No fim da primeira etapa, seleção brasileira marca com cinco defensores na área. Entre eles, Lucas Paquetá — Foto: Reprodução

Vinicius Junior na linha defensiva, com Isla à sua frente: jogador do Real Madrid pouco passou da linha do meio de campo — Foto: Reprodução

Vinicius Junior na linha defensiva, com Isla à sua frente: jogador do Real Madrid pouco passou da linha do meio de campo — Foto: Reprodução

Numa noite em que Neymar, longe da melhor forma física, tinha dificuldades de prender a bola - ao contrário, a perdeu 11 vezes -, Tite mexeu em posicionamento ainda no primeiro tempo trocando Paquetá com Vinicius. Na frente, Gabigol ficava longe de Neymar e sem apoio de Danilo. Ainda conseguiu criar boa jogada para Neymar.

No segundo tempo, o cenário mudou um pouco depois das mexidas de Tite. Gerson entrou no lugar de Bruno Guimarães, que tinha cartão amarelo, e Everton Ribeiro substituiu Vinicius. Mais centralizado, o meia-atacante rubro-negro aproveitou chance com jogo curto depois de escorar passe de Danilo - numa rara subida dos laterais.

Com ímpeto menor dos chilenos, o Brasil controlou melhor a partida nos últimos 20 minutos com faltas - Gerson também levou amarelo, Marquinhos impediu a entrada de Pulgar a um metro da área - e muita proteção na frente da área.
Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.